Comentários
Livros
Artigos
Dicas
Home
Dicas para Redação Científica

Nesta reportagem do PORVIR, há 10 dicas que podem auxiliar na confecção de um texto científico. O processo é mais complexo, mas temos que começar de algum lugar... estas 10 dicas representam um bom começo! Escreve claro quem pensa claro. Se somos críticos com as coisas que vemos, escrevemos e pensamos melhor. Por isso é tão necessário que o ensino fundamental e médio desenvolvam raciocínios críticos nos alunos, mais que aglomerado de informações. Quem se expressa bem está sempre um passo à frente.

12/09/2014
Curso Prático do Método Lógico para Redação Científica

Vejam reportagem da UNICAMP sobre o curso prático que desenvolvi lá nos dias 5 e 6 de Dezembro/13. O modelo que criei para esse  curso está funcionando bem e posso atender a várias dezenas de alunos ao mesmo tempo, cada um com seu manuscrito. Só tem um pré-requisito: tem que conhecer o Método Lógico!

13/12/2013
Curso Método Lógico para Redação Científica na UNICAMP - 2013

Neste link está um texto da reportagem local sobre meu curso ministrado em 14/06/13 na Unicamp.

17/06/2013
Entrevista concedida ao IFSULDEMINAS

Nesta entrevista discuto a questões de redação científica e de ciência no Brasil, incluindo aspectos sobre a formação de cientistas e o ensino da redação científica.

07/05/2013
Correção de Inglês em Alto Nível

Muitos cientistas brasileiros têm buscado publicar em inglês, o que tornaria nossa ciência mais visível. No entanto, essa empreitada precisa de duas coisas: uma estrutura de pensamento impecável e uma linguagem em inglês igualmente impecável. A primeira é mais difícil, mas a segunda é mais fácil. Uma vez que tenha garantido a primeira, esmere-se para a segunda, a redação em inglês de alto nível. Nesse ambiente, muitas empresas têm surgido, com diferentes graus de qualidade... e também de preço (nem sempre o preço é proporcional à qualidade).

Para evitarmos que nossos artigos sejam divulgados com inglês de baixo escalão, o que atesta contrá nós, nossas instituições e nosso país, indico um empresa que faz um serviço excelente de correção de inglês (mas não faz tradução). O preço é barato, principalmente se pensamos que pode ser dividido entre autores. O prazo também é satisfatório, não excedendo 14 dias... e são 100% pontuais. E isso só ocorre porque é feito dentro de um grupo de renome, a equipe NATURE (dispensa comentários). O link está aqui.

Declaro que não tenho qualquer conflito de interesse com essa empresa... apenas satisfação de atendimento.

12/04/2013
Origem, Importância e Direções para Pôsteres em Congressos

A revista Nature Chemistry publicou comentários sobre os pôsteres em congresso. Os pôsteres substituíram as apresentações orais e permitiram que os congressos conseguissem incorporar maior número de trabalhos, o que atendia a uma demanda que crescia vertiginosamente. Embora isso tenha sido introduzido há décadas, parece que o aprendizado para se construir um bom pôster ainda é precário. Seguir regrinhas não adianta, pois sua confecção depende da criatividade do autor e da compreensão exata da lógica de seu estudo; com isso, incluindo apenas o fundamental e apresentando-o de forma agradável. Os norteamentos dados pelo artigo em questão são fundamentais.

Acrescento: 1) o pôster deve ser tratado como um "letreiro de atração" e uma "lousa para discussão"; 2) leve informações específicas numa pasta para uso, se necessário; 3) Não imagine que o leitor lerá seu pôster... o mais comum é ele parar em frente, olhar algumas coisas, pedir explicações e aí começar a discutir; 4) então, nada de colocar Introdução, nem Discussão, tudo deve ser de rápida apreensão; 5) lembre-se que o mais importante é você conseguir "discutir" com seus colegas (daí a importância de sua presença física no local do pôster - não perca a chance dessa troca de ideias). Com esses referenciais, sinta-se livre para inovar e conquistar a atenção do público... porém, o grande mérito virá da qualidade do conteúdo que seu estudo e de sua formação científica.

26/01/2012
Redação de Resumo

Tenho defendido o formato de RESUMO CRIATIVO. Ele pode ser um desenho, um filme ou um texto. No caso do texto, deve ser curto e a construção interna dependerá da criatividade do autor... mas deve informar rapidamente a essência do texto principal. Ele ocorre em revistas de alto nível, mas nas revistas científicas mais técnicas, ou mesmo nas regionais, ele é substituído pelo clássico, porém horrível, resumo estruturado.

A ideia básica está além da ciência e pode ser vista neste link, informado por Sibele Fausto (Twitter: @sibelefausto]

12/12/2011
5 min de Dicas!

Vejam entrevista sobre meu curso ministrado na UFSM, em Santa Maria, RS. Há até um curto vídeo onde respondo sobre as tais Dicas.

02/11/2011

Artigo da Folha de São Paulo enaltece os cursos de redação científica, que parecem começar a virar moda no país. Pelos comentários à matéria, ainda tem gente achando que o problema é o inglês. Se a ideia é pobre, será pobre em qualquer idioma.

Vejam essas empresas ensinando regrinhas. Ora, não é essa a questão. Temos que formar cientistas de bom nível, que a estruturação do artigo fará parte disso.

A crise da redação em nosso país é muito mais séria do que se pensa. É uma crise de qualidade científica. Não pensem que a pesquisa científica brasileira é o que se vê em alguns centros iluminados das regiões mais ricas do país. Ciência brasileira tem que ser de N-S-L-O. O que me chama a atenção nessa reportagem é quem nem a história correta da área as pessoas conhecem. Corrigindo matéria (como também enviei à Folha): a primeira empresa brasileira na área nasceu em 2000, se chama Oficina Scripta e fica em Vinhedo, SP. É apenas uma questão de justiça histórica.

02/11/2011
S.O.S - Cuidado com as Pseudo "Técnicas" de Redação Científica

Caros leitores, me preocupa muito a devassa intelectual que alguns profissionais insistem em fazer com os aprendizes de redação científica. Redação Científica não é uma matéria técnica. Não caia no engodo de que regrinhas vão fazer você construir um belo trabalho. Se fosse fácil assim, o Brasil já teria resolvido isso. É necessário alterar conceitos. Cuidado, há pessoas ministrando cursos e publicando texto que passam regrinhas medíocres. Isso engana e não constrói.

Para construir um artigo científico de qualidade precisamos, antes de mais nada, construir ciência de qualidade. Isso requer pensar novidades (e não mesmices que apenas concluem sobre o que já se sabe), usar metodologias robustas, obter resultados evidentes (o que decorre de boas ideias e metodologias adequadas) e fazer uma apresentação impecável. Sem isso, não tem como fazer uma boa publicação científica.

O que mais dói é saber que tem pessoas enganadoras usando a ignorância de alunos de TCC e Pós-graduação para vender regrinhas. Um exemplo: se falarem que Introdução e Justificativa são tópicos separados... cuidado, fuja disso. Isso é um deserviço para a comunidade científica brasileira.

Cuidado! Olhem o currículo Lattes dos proponentes antes de se deliciarem com seus ensinamentos! Não dá para ensinar o que não consegue fazer.

27/10/2011
  « anterior  [1]  2   próximo »