Gilson Volpato

Ciência & Comunicação

Construindo uma sociedade melhor

Assuma a educação e a ciência como base para nossa sociedade

Fator de Impacto 2013

Categoria(s): Publicação Científica

Fonte: JCR - ISI

Comentário do Prof. Gilson Volpato 30/07/2014:

Foi liberado hoje, 30/07/14, os valores do Fator de Impacto das revistas científicas catalogadas no Journal Citation Reports (JCR). O Fator de Impacto mede a eficiência do corpo editorial em selecionar artigos que interessem à sua comunidade científica (incluindo forma para atrair artigos e divulgá-los na comunidade científica). Ele representa a relação entre o número de citações que artigos publicados num biênio (no caso, 2011 e 2012) receberam no ano seguinte ao biênio (2013) em relação ao número desses artigos escolhidos pelo corpo editorial para publicação. Embora esteja, como qualquer outro índice que avalie atividade social humana, sob ação da desonestidade humana, em termos gerais representa um indicador razoável do perfil da revista e foi para isso que foi criado na década de 60.

 

Os valores abaixo sumarizam alguns aspectos do perfil das revistas visto a partir do Fator de Impacto.

 

O BRASIL

1 – O Brasil possui 107 revistas na Science Edition, com mediana de FI = 0,6215 e possui 18 revistas na Social Sciences Edition, com mediana de FI = 0,166.

2 – A revista brasileira de maior FI na Science Edition é Diabetology & Metabolic Syndrome (FI = 2,500). Na Social Sciences Edition é a Revista Brasileira de Psiquiatria (FI = 1,638).

 

O MUNDO

1 – Há 8.474 revistas catalogadas na Science Edition e 3.045 na Social Sciences Edition.

2 – O maior FI é 162,500, da A Cancer Journal for Clinicians, que publica cerca de 20 artigos por ano. Note que esse baixo número de artigos não explica esse FI, pois esse fator é uma relação entre citações e número de artigos.

3 – A revista Nature aumentou cerca de 4 pontos em relação ao FI de 2012. Subiu de 38,159 para 42,351. A revista Science praticamente não variou, saindo de 31,027 e chegando a 31,477. Note que quando surgiu o documento DORA, em 2012, produto de algumas sociedades científicas em San Francisco, USA, o qual criticava o FI (mas não propunha nada objetivamente melhor), o editor da revista Science assinou o documento, mas o da Nature não. Ambos editores publicaram nota explicando porque assinaram ou não assinaram o DORA. Na ocasião, mostrei o papel do desempenho no FI das duas revistas nessa decisão (veja aqui). Aparentemente, o distanciamento da Nature não será superado rapidamente pela Science; portanto, quem perde bate no índice, quem ganha aplaude. Pode ser apenas uma questão mercadológica.

4 – A mediana internacional geral na Science Edition é FI = 1,411 [corrigido em 02/08/14] e na Social Sciences Edition é de FI = 0,875.

5 – Distribuição percentual de revistas: Science Edition (% primeira coluna) e Social Sciences Edition (% segunda coluna) em função de algumas classes de FI.

 

FI

  Revistas

%

%

< 5

92,68

98,42

5   < 10

5,00

1,25

10   < 20

1,63

0,26

20   < 30

0,31

0,07

30   < 40

0,28

-

40   < 50

0,07

-

 50   < 100

0,01

-

> 100

0,01

-